segunda-feira, 4 de maio de 2009

REGÊNCIA VERBAL


Olá a todos!

Bem, vamos entender hoje o conteúdo chamado REGÊNCIA VERBAL (= PREDICAÇÃO VERBAL = TRANSITIVIDADE VERBAL).
O título é sugestivo: "deve ser alguma coisa relacionada ao verbo..." Sim, exatamente. A idéia primeira que nos ronda o pensamento é essa mesma.


Na nossa ilustração acima, há um erro de regência: o verbo REFERIR-SE exige uma preposição ( A ), a qual, podemos perceber, não aparece na frase. Já que é uma EXIGÊNCIA, teria, portanto, de aparecer.


Corrigindo, então:


Os estudantes A que me referi...


Vamos arrolar duas sentenças:


frase 1: Pimenta arde.

frase 2: Aquele estudante pratica.


Nas frases acima, temos os verbos ARDER e PRATICAR. É evidente que o verbo ARDER não exige nenhuma palavra ou expressão para lhe completar o sentido, pois somente "arder" por si próprio é completo, já contém seu pleno significado.

Um nativo da língua portuguesa sente que a frase está gramaticalmente completa. É inerente, intríseco. Simplesmente o verbo em questão tem o sentido absoluto, pleno, completo, portanto. Contudo, ao analisar o verbo PRATICAR, percebemos a diferença. A frase 2 está incompleta gramaticalmente. Ora, quem pratica pratica ALGUMA COISA, pratica ALGO. Afinal, "o que aquele estudante PRATICA?". A pergunta é inevitável: "pratica O QUÊ?" O verbo, nesse caso, EXIGE COMPLEMENTO, exige alguma expressão para lhe completar o sentido. O verbo PRATICAR por si só tem o sentido incompleto. Agora nesses exemplos


1. Pimenta ARDE.

2. Aquele aluno pratica FUTEBOL.


Ao verbo da frase 1 vamos chamar de INTRANSITIVO; enquanto o da frase 2, TRANSITIVO.


CONCLUSÃO: VERBO INTRANSITIVO (V.I) é o verbo que NÃO EXIGE COMPLEMENTO, ele por si só já tem sentido completo. VERBO TRANSITIVO (V.T), por sua vez, EXIGE COMPLEMENTO e é possível, por isso, reconhecê-lo na frase. Percebemos o complemento do verbo PRATICAR. FUTEBOL, portanto, é o complemento do verbo (= verbal). A esse COMPLEMENTO VERBAL, no caso, chamaremos de OBJETO.


Assim:

1. Pimenta arde (= V.I).

2. Aquele aluno pratica (= VT) futebol (= OBJETO).


Se tivermos a frase 3


frase 3: Aquele aluno gosta de futebol.


Nesse caso, é direta a pergunta: QUEM GOSTA GOSTA DE ALGUMA COISA ou GOSTA DE ALGO. O verbo GOSTAR exige complemento, e mais: a expressão que lhe completa o sentido está na frase, é possível reconhecê-la. DE FUTEBOL é o complemento verbal = OBJETO.


Observemos agora:


3. Aquele aluno gosta (= VT) de futebol (= OBJETO).


Então, tanto na frase 1 quanto na frase 3 temos verbos TRANSITIVOS, pois exigem complementos e os reconhecemos na frase. Expondo-os:


frase 2: Aquele aluno pratica (= VT) futebol (= OBJETO).

frase 3: Aquele aluno gosta (= VT) de futebol (= OBJETO).Mas, será que há diferenças entre eles? Certamente. O detalhe está no objeto. Ora, o objeto da frase 2 não tem preposição; já em 3 tem. Ao objeto SEM PREPOSIÇÃO chamaremos de OBJETO DIRETO (O.D) e o verbo PRATICAR será VERBO TRANSITIVO DIRETO (V.T.D); ao objeto COM PREPOSIÇÃO, OBJETO INDIRETO (O.I) e o verbo GOSTAR será VERBO TRANSITIVO INDIRETO (V.T.I).


Em outras palavras, VTD é o verbo que exige complemento SEM PREPOSIÇÃO (OD); VTI é o verbo que exige complemento COM PREPOSIÇÃO (OI).


Na prática, fica assim:


2. Aquele garoto pratica (= VTD) futebol (= OD).

3. Aquele garoto gosta (= VTI) de futebol (= OI).


Com a quarta frase


frase 4: Aquele aluno entregou os testes aos pais.


Aqui, temos um verbo que exige dois complementos.


Façamos a pergunta: QUEM ENTREGA ENTREGA ALGO A ALGUÉM. Dá para reconhecer seus objetos? Sim! O verbo ENTREGAR exige, portanto, dois complementos: um sem preposição (direto) outro com preposição (indireto). Logo, o verbo é BITRANSITIVO, ou TRANSITIVO DIRETO e INDIRETO ao mesmo tempo.


Vejamos o exemplo analisado.


4. Aquele aluno entregou (= VTDI) os testes (= OD) aos pais (= OI).


Fiquemos com as palavras do mestre Macambira:


"TRANSITIVO é sinônimo de predicação incompleta: transita em procura de alguma coisa para completar-se; INTRANSITIVO é sinônimo de predicação completa: não transita, não sai do lugar, porque, para completar-se, não precisa de nada; basta-se a si mesmo, é completo por si próprio".


1º Quadro sintético:


VI = Verbo que não exige complemento.

VT = VTD exige (OD) - VTI exige (OI) - VTDI exige (OD e OI)


Agora, analisemos a frase 5:


frase 5: Minha família é feliz.


Nesse exemplo temos o verbo SER, o qual liga ao sujeito o adjetivo FELIZ. Sendo assim, FELIZ não é um complemento do verbo, e sim um PREDICATIVO DO SUJEITO. O verbo SER, nesse caso, será chamado de VERBO DE LIGAÇÃO.


Outros casos:


frase 6: Meu time está EXCELENTE!
frase 7: A professora ficou ANIMADA.
frase 8: Os alunos permanecem CALADOS.
frase 9: Os alunos parecem INTERESSADOS.
frase 10: A criança continua SORRIDENTE.


PRIMEIRO DETALHE:


VERBO DE LIGAÇÃO (V.L) é o verbo que LIGA uma CARACTERÍSTICA, ou um ATRIBUTO, ou uma QUALIDADE, que concorda em gênero e número com o sujeito. A coisa LIGADA será chamada de PREDICATIVO DO SUJEITO (P.S).


LEMBRE-SE: todo verbo de LIGAÇÃO SEMPRE exige PREDICATIVO DO SUJEITO.


RESUMO: VL + PS


Analisando agora as frases


frase 5: Minha família é (= VL) feliz (= PS --> concorda com o sujeito).
frase 6: Meu time está (= VL) excelente (= PS --> concorda com o sujeito).
frase 7: A professora ficou (= VL) animada (= PS --> concorda com o sujeito).
frase 8: Os alunos permaneceram (= VL) calados (= PS --> concorda com o sujeito).
frase 9: Os alunos parecem (= VL) interessados (= PS --> concorda com o sujeito).
frase 10: A criança continua (= VL) sorridente (= PS --> concorda com o sujeito).


Existem casos, contudo, em que o PS pode ser representado por uma expressão preposicionada e, por isso, pode ficar invariável.


--> Aquela mulher está sem emprego.
--> Essa mulher ficou sem recursos financeiros.
--> Nós ficamos com sede.
--> Elas permaneceram com fome.


SEGUNDO DETALHE:


VERBO DE LIGAÇÃO pode indicar diferentes ESTADOS. Muitos o chamam de VERBO DE ESTADO. Isso não é de todo correto. O certo é que ele pode, sim, indicar alguns estados.


Vejamos:


frase 11: Aquele homem É doente = ESTADO PERMANENTE
frase 12: Aquele homem ESTÁ doente = ESTADO PASSAGEIR
frase 13: Aquele homem FICOU doente = MUDANÇA DE ESTADO
frase 14: Aquele homem CONTINUA doente = CONTINUIDADE DE ESTADO


De fato, o VERBO DE LIGAÇÃO pode indicar diferentes estados. Porém, vamos por partes:


1º - VL é o verbo que LIGA algo ao sujeito;
2º - VL pode indicar alguns ESTADOS;


Neste caso:


frase 15: Aquele homem adoeceu.


Temos nesse exemplo um Verbo de Ligação? Não, em absoluto. Indica estado o verbo? Sim. Mas, então, por que esse verbo não é de ligação? Simples: ELE NÃO LIGA NADA AO SUJEITO. ONDE ESTÁ O PREDICATIVO DO SUJEITO? Porque todo verbo de ligação tem que ter PS!
CONCLUSÃO: não se trata de um VL, e sim de um VERBO INTRANTISITO (VI).


Que tenhamos cuidado!!!


DESAFIO:


frase 16: Aquele prédio foi destruído.


O verbo FOI, que é o verbo SER, é de Ligação? DESTRUÍDO é PREDICATIVO DO SUJEITO?


NÃO!


DICA CAMPEÃ: O VL tem um sujeito neutro, isto é, NEM ATIVO (aquele que PRATICA ação) NEM PASSIVO (aquele que SOFRE ação).


Percebemos que o sujeito AQUELE PRÉDIO é PASSIVO, ou seja, sofre ação. Logo, o verbo NÃO é de Ligação.


Os principais VERBOS DE LIGAÇÃO são:


SER - ESTAR - FICAR - CONTINUAR - PERMANECER - PARECER


No entanto, temos que ficar atentos!


Existem verbos que ora são de Ligação ora não o são:


frase 17: O aluno VIROU a cadeira.
frase 18: O aluno VIROU funcionário público.


Ora, o verbo VIRAR não tem a mesma transitividade. No primeiro caso, é VTD. No segundo é VL. O aluno não era funcionário público, agora ele é. Então houve uma mudança de estado. FUNCIONÁRIO PÚBLICO se liga ao sujeito, refere-se a ele.


Detalhando


frase 17: O aluno virou (= VTD) a cadeira (= OD).
frase 18: O aluno virou (= VL) funcionário público (PS).


Saber se um verbo é ou não de Ligação dependerá somente do contexto. Verbos como ANDAR, VIVER, VIRAR, ACABAR, SAIR, ENTRAR, CAIR, SERVIR, FINGIR-SE DE, PASSAR POR, BANCAR entram nesse rol.


frase 19: Maria vive cansada.
frase 20: Maria vive uma vida miserável.
frase 21: Maria vive em Fortaleza.


Nesses três casos, a transitividade do verbo VIVER é diferente. Em 19, temos VL (cansada é PS), em 20 temos VTD e em 21 temos VI (em Fortaleza é Adjunto Adverbial).


=> GRANDES CONTRADIÇÕES DA GRAMÁTICA TRADICIONAL - PARTE 1


frase 22: Tom Cavalcante mora em São Paulo.


Como a Gramática Tradicional analisa a transitividade do verbo MORAR em questão? Bem, pasmem: para a GT esse verbo É INTRANSITIVO. Como assim?! Isso mesmo.


frase 22: Tom Cavalcante mora (= VI) em São Paulo (= ADJUNTO ADVERBIAL DE LUGAR).


A GT faz uma análise somente observando o sentido que a expressão EM SÃO PAULO sugere, o que é lamentável. Realmente, ela exprime lugar. E quanto à transitividade do verbo? MORAR, de fato, não exige complemento? Ora, QUEM MORA MORA EM ALGUM CANTO, MORA EM ALGUM LUGAR! Sem isso, frase se tornaria incompleta, sem sentido, agramatical.
*frase 22: Tom Cavalcante mora. (?)


Não há dúvidas de que o verbo exige, sim, um complemento. EM FORTALEZA é uma exigência de MORAR, logo seria um OBJETO INDIRETO, naturalmente. Observemos:


frase 23: Tom Cavalcante visitou São Paulo.


Faz-se a pergunta: QUEM VISITA VISITA ALGUM CANTO, VISITA ALGUM LUGAR, VISITA ALGUÉM. "Visitar" = VTD e "São Paulo" = OD.


O raciocínio é o mesmo para a frase 22! A análise "humana", portanto, seria:
frase 22: Tom Cavalcante mora (= VTI) em São Paulo (= OI).
Porém, não é essa a "correta" análise, senhores.


Reitero: para a GT, a análise será desta forma mesmo:


-> Tom Cavalcante (= SUJEITO) mora (= VI) em São Paulo (= ADJUNTO ADVERBIAL DE LUGAR).


Sem palavras. É lamentável. Toda a linha de raciocínio é desmantela, em outras palavras "vai por água abaixo...".


A importância foi dada à expressão EM SÃO PAULO. Como indica lugar, a GT entende como Adjunto Adverbial de Lugar. Então sendo Adj. Adv. de Lugar, o verbo não poderia ter outra transitividade a não ser INTRANSITIVO. E é exatamente nesse ponto em que há a contradição com toda a teoria vista. Somos a favor de que, certamente, a expressão indica lugar, sim. Mas, primeiramente, temos que analisar o VERBO. O verbo é o termo principal. Tudo começa pelo Verbo. Se confrontarmos frases como as seguintes, veremos as evidentes diferenças.


frase 22: Oswald de Andrade morou em São Paulo.
frase 23: Oswald de Andrade morreu em São Paulo.


Somente na frase 23 temos um Adjunto Adverbial de Lugar, simplesmete porque tal expressão não é uma exigência do verbo, o qual é verdadeiramente INTRANSITIVO.


"Oswald de Andrade morreu DE INFARTO (Adjunto Adverbial de Causa)", "Oswald de Andrade morreu DURANTE A MADRUGADA (Adjunto Adverbial de Tempo)" etc. nesses casos temos expressões dispensáveis, que não são exigências em si do verbo MORRER, assim como EM SÃO PAULO. Afinal, quem MORRE MORRE. E ponto final. Saber ONDE morreu, DE QUÊ morreu, QUANDO morreu, são perguntas secundárias, dispensáveis, portanto, prescindíveis ao verbo.
Mas na frase 22, é fácil notar que o verbo é Transitivo, porque EM SÃO PAULO não é dispensável. É a expressão necessária para completar o sentido de MORAR, que seria VTI.
Apesar de tudo isso, de todas as provas cabíveis, a GT é irredutível: o verbo MORAR será VI, e fim de papo.


==> RECURSO PARA ENCONTRAR O ADJUNTO ADVERBIAL DE LUGAR:
POR/A/DE/ + ONDE?


A resposta será um ADJUNTO ADVERBIAL DE LUGAR.


Exemplos:


1. Minha família veio de Brasília. => "veio DE ONDE?" R= DE BRASÍLIA. Logo é Ad. Adv. Lugar. O que nos resta é considerar, portanto, o verbo INTRANSITIVO, e não Transitivo Indireto.


2. Minha família foi a Brasília. => "foi AONDE?" R= A BRASÍLIA. Logo é Adj. Adv. de Lugar. Verbo IR é INTRANSITIVO.


3. Minha família está em Brasília. => "está ONDE?" R= EM BRASÍLIA. Logo, é Adj. Adv. Lugar. Verbo ESTAR é INTRANSITIVO.
Quer dizer que Adj. Adv. Lugar só aparece com verbo Intransitivo? NÃO!


Veja:


O estudante achou o livro em cima da mesa. "Achou o livro ONDE?" R= EM CIMA DA MESA. Esse termo será Adj. Adv de Lugar, contudo o verbo ACHAR NÃO é Intransitivo, e sim TRANSITIVO DIRETO, pois QUEM ACHA ACHA ALGUMA COISA, ACHA ALGO.


=> VERBO TRANSOBJETIVO:


É um tipo de verbo Transitivo direto, cujo objeto direto comporta um predicativo do objeto. Entre o objeto direto e o predicativo objeto está implícito um verbo de ligação, que se pode facilmente explicitar:


O prefeito nomeou Luciano secretário.


1. O prefeito nomeou Luciano.
2. Luciano É secretário.


É um verbo transitivo cujo OBJETO não é suficiente para completar o seu sentido. É preciso, portanto, um complemento atributivo para, assim, integrar o sentido da frase.


Exemplo:


Os alunos acharam a professora atenciosa.


ATENCIOSA é o complemento atributivo referente à PROFESSORA. Então, "atenciosa" é o verdadeiro PREDICATIVO DO OBJETO (P.O). Se a frase fosse: Os alunos acharam a professora.


O sentido seria totalmente diferente. Nessa caso, parece que estavam procurando a professora, o que não é a correta interpretação da frase. O sentido original sugere uma espécie de julgamento feito pelo sujeito, no caso, OS ALUNOS.


=> DICA CAMPEÃ: IDENTIFICANDO O PREDICATIVO DO OBJETO:


1º - O que você acha que é P.O aceita ficar entre o VERBO e o COMPLEMENTO. Retomando a frase supracitada e aplicando a DICA CAMPEÃ.


Vejamos:


Ex1: Os alunos acharam ATENCIOSA a professora. Logo é realmente P.O.
Se isso não for possível é porque não é P.O!


Vejamos:


* Os alunos riscaram o quadro BRANCO => Os alunos riscaram BRANCO o quadro. (????) Logo não é P.O, e sim ADJUNTO ADNOMINAL (assunto para outro dia).


2º - Transforme o OBJETO em pronome, se a frase fizer sentido é porque aquilo que você acha que é P.O é realmente P.O. Caso contrário não é.
Ex2: Os alunos acharam-na (= a professora) ATENCIOSA. => Faz sentido a frase. Logo é P.O.


Mas


* Os alunos riscaram-no (= o quadro) BRANCO. => Não faz sentido a frase. Logo não é P.O. Nesse caso, será ADJUNTO ADNOMINAL.


Na verdade, o Predicativo do Objeto é um atributo dado pelo sujeito ao objeto.


Os principais verbos TRANSOBJETVOS são:


ACHAR - CONSIDERAR - JULGAR - NOMEAR - ELEGER - CHAMAR - TER (= JULGAR) - FAZER - TORNAR - APELIDAR - TACHAR - CLASSIFICAR.


Surgindo um desses verbos, fique com o pé atrás! Porque, no geral, haverá um Predicativo do Objeto.


Espero que esse novo expediente tenha servido para elucidar algumas questões de português em mente.


E mais: qualquer dúvida, seja bem-vindo(a), fique à vontade.


Aqui é o lugar para debatermos acerca de quaisquer assuntos referentes à Língua Portuguesa. Portanto, sinta-se em casa. Lembre-se de que somos seres extraordinários. A procura do saber nunca é demais. Sentimos sede. Sempre.


Por enquanto é só.


Abraços!


Prof. Hugo Magalhães.

9 comentários:

  1. fala umas 30 frases de vtd vt vtdi

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma dúvida sobre a regência do verbo RECONHECER.
    Como é correto dizer: "Fulano pede que seja reconhecido o direito de votar" ou "Fulano pede que lhe seja reconhecido o direito de votar"?
    No caso de existir pronome, onde ele deve ser colocado?
    Grata,
    Cacau

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,se você fizer uma pergunta do tipo: Reconhecer a quê o quê, a algo, você deve encontrar a resposta: Ao direito, ou o direito. Deve-se empregar o pronome possessivo. Observe;Ricardo pede que seja reconhecido o seu direito ao voto... Acho que é isso =)...

      Excluir
  3. Querido professor

    Fiquei muito feliz ao descobrir seu site.
    Gosto da maneira clara e objetiva como os assuntos são tratados.
    O site tem me ajudado muito.

    Obrigada
    Heloisa

    ResponderExcluir
  4. Sou professor de gramática (do português) e concordo com sua observação a respeito da transitividade de verbos como morar. No entanto, é uma característica patente do objeto a relação de paciente que este mantém com o verbo. Não vejo essa relação nos objetos/adjuntos adverbiais de lugar. Mas, de fato, considerar tais verbos como intransitivos acaba com todo o raciocínio lógico que usamos para ensinar transitividade verbal!!!!!!
    Digo aos meus alunos que inclusive eu considero os verbos de movimento como ir, vir, chegar, e o morar vti, mas a gramática diz VI, e a gente tem de aceitar. Sua "dica" do por/a/de vai ser muito útil para mim e para muitos deles, Obrigado professor!
    Kainã, www.ocadernodokaina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Muito estranho a gramática não sofrer mudança, mesmo estando " errada", digamos assim...

    ResponderExcluir
  6. Professor, tenho uma dúvida quanto ao verbo de ligação estar.Em "estive em são paulo" o termo em são paulo funciona como predicativo ou como adjunto?o verbo estar não é intransitivo?admite-se o uso da preposição "em" nesse caso?essa construção está correta afinal?grata desde já

    ResponderExcluir
  7. Olá.

    Parabéns pelo blog.

    Onde encontro um cadastro dos verbos do Português Brasil ?? cadastro contendo informações sobre transitividade, conjugação, etc..

    Obrigado.

    ResponderExcluir